Um dos temas mais discutidos e estudados na Linguagem Corporal é a mentira.
MENTIRA é qualquer forma de comportamento, cuja função seja fornecer aos outros informações falsas, ou privar de informações verdadeiras.
Convivemos com a mentira, todo dia e pelo menos umas três vezes por dia. Só o fato de não falarmos o que pensamos já é uma mentira.
A mentira é tão presente no nosso dia a dia que nem notamos e basta uma simples frase para se ter noção disso.

“Faz de conta”
“Conversa para boi dormir”
“Conto da carochinha”
“Conta outra”
“Só que não”

Quantas e quantas vezes ouvimos isso dos outros ?

Segundo Paul Ekman, psicólogo americano especialista em expressões humanas, há dois parâmetros para se definir a mentira.
O Primeiro é a intenção, ou seja, quando o mentiroso deseja realmente enganar.

O Segundo parâmetro é o alvo. Este desconhece que o objetivo do mentiroso é de fato enganar. Um exemplo disso é o mágico. É fato que o mágico nos engana, sabemos disso, mas não se trata de um mentiroso, e sim de um profissional no qual buscamos o engano lúdico. Imagina se ele não conseguir enganar a platéia? rsrsrs
De acordo com o professor de Filosofia da Universidade de Yale (Estados Unidos) Shelly Kagan, não existe uma definição universal para a mentira. Talvez a mais aceita seja “fazer uma declaração falsa com a intenção de enganar”. Porém, ao analisar esta frase, encontramos várias deficiências. Basta pensar que muitas declarações verdadeiras são feitas com a intenção de mentir. Nessa situação, se considerarmos o tom de voz, a expressão pode produzir exatamente o contrário do que é dito.
Observe essa frase e tire suas conclusões:
“Tenho certeza de que todos os políticos no Brasil são exemplos de honestidade”.

O Filósofo e professor da Universidade da Nova Inglaterra (EUA) David L. Smith define a mentira como “qualquer forma de comportamento cuja função seja fornecer aos outros informações falsas ou privá-los de verdadeiras informações”. Como dito no começo deste capítulo.

Somos Mentirosos.

Todos nascemos mentirosos, crescemos mentirosos e ensinamos nossos filhos a mentir e muitas vezes pioramos, contamos mentiras à eles como se fossem verdade.
Parece exagero dizer isso, tal como o professor Paulo Sérgio afirma em seu livro “Não Minta pra Mim”.
Se observarmos melhor vamos ver que é verdade, quer um exemplo?, pois bem, darei alguns:
Chapeuzinho Vermelho, Lobo Mau, Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e por ai vai.

Há duas maneiras de mentir:
1 Ocultar
Neste caso a pessoa oculta a informação verdadeira sem dizer nada que seja mentira.

2 Falsear
No Segundo, além de ocultar a informação verdadeira, falseia informações como se fossem verdade. Os dois procedimentos também são usados em alguns casos para que a mentira seja eficaz.

Em geral, quando um mentiroso está em condições de escolher, prefere ocultar e não falsear. Ocultar é bem mais ágil e fácil do que falsear algo. Esconder informações evita que a pessoa passe por constrangimentos caindo em contradições.
Na política o uso da condição de escolha em ocultar é bastante usado nas Comissões Parlamentares de Inquérito. Os políticos sempre usam a frase “Eu não sabia”. Este tipo de declaração é bem aceito pela maioria das pessoas que acreditam, mesmo até quando surgem provas já que a pessoa não era obrigada a “saber” sobre tudo.
Em alguns casos a mentira acontece mesmo quando a pessoa não diz nada. Quando no cargo de minas e energia, Dilma Rousseff diante das câmeras de televisão ouvia de modo impassível a leitura de seu currículo que indicava vários títulos de mestre e doutorado. Ela poderia ter desmentido na mesma hora, mas aceitou os títulos e permaneceu em silêncio.

Os Motivos da Mentira:

  • Medo da Punição:
    Um dos motivos mais comuns. A criança que quebra o vaso da sala, e quando a mãe toda nervosa vê os estilhaços, questiona a criança, ela com medo de ser punida diz que não foi ela e ao mesmo tempo tapa a boca com as duas mãos.
    Com o tempo a mentira da criança ganha melhores argumentações e conseguirá álibis, tais como cachorro, gato e etc… (rsrsrs).
  • Evitar Constrangimentos:
    “Que criança linda ” Que simpática”
    Descaradamente dizemos isso quando não achamos a criança bonita, chegamos até a dizer “Que criança bonitinha” para parecer mais cordial.
    A mentira evita constrangimentos e amortece a relação social para evitar aborrecimentos e brigas.
    Dizer a verdade em algumas situações se tornaria um caos.
 
O objetivo de muitas mentiras é o de amortecer a relação social, já outras podem ser de trazer algum benefício para o mentiroso.
  • Obter prestígio:
    A mentira também pode acontecer para obter prestígio, porém a reputação da rapaz cai quando o amigo diz que passou em sua casa no sábado a noite e sua mãe lhe disse que ficou a noite inteira em casa.
Ao mesmo tempo que ganha prestígio o mentiroso deseja manter sua reputação  e seu nível de auto estima.
O garoto quando conta que “pretende” ir a Disney no final do ano, ganha fama e prestígio pelos amigos.
O homem que diz que “pegou todas” na noite passada, quando na verdade não pegou nenhuma, ganha mais prestígio entre os amigos também. Como diz o Especialista Paulo Sérgio de Camargo: “Em geral as mulheres mentem por motivos emocionais, os homens para se promover”
Como pegar um mentiroso se tornou popular graças as séries de televisão e os filmes, dizem ser possível pegar um mentiroso e como não se lembrar de Lie To Me do qual já falamos em outro artigo aqui no blog.
O ruim é que ao mesmo tempo estas séries propagam uma grande mentira: a de que é sempre muito fácil pegar um mentiroso.
É importante entender que além do ser humano ser muito complexo, todos os sinais dentro de um contexto devem ser observado e mesmo assim nem sempre o especialista obterá sucesso, precisa-se de muitos estudos e prática.
A Linguagem Corporal não vai detectar um mentiroso em instantes como Dr Carl Lightman em Lie To Me, isso porque a realidade não é tão linda assim, mas exige cuidado, respeito, o não envolvimento pessoal do especialista e muito treino e estudo, ou seja, muito mais complexo do que muito dizem por ai. Tomem cuidado !!!!
Desconfiem daquelas pessoas que dizem conseguir observar a mentira com 100% de acerto e coisas deste tipo, assim como “cursinhos” que transformam aprendizes principiantes em especialistas em poucas horas de treinamento.
Não existe apenas um indicativo de mentira, talvez o único sinal físico da mentira é o que foi criado por Carlos Callodi no conto “Pinóquio”. Felizmente, a natureza humana não fez o mesmo para nós de tão fácil detecção; talvez isso não fosse tão bom assim para nós rsrsr.
Conclusão
Ao longo de nossa evolução podemos dizer que melhoramos nossa maneira de mentir e isso continuará mudando. Nem sempre mentir é ruim como podemos ver neste artigo e também no livro que inspirou este artigo NÃO MINTA PARA MIM de Paulo Sérgio de Camargo. Muitas vezes mentimos para e por coisas positivas, precisamos ser seres sociais e conviver em harmonia, mas a mentira torna-se ruim quando serve ou se é utilizada para prejudicar o outro e isso pode ser devastador.
Tomem cuidado com especialistas que prometem o descobrir a mentira instantaneamente, isso não acontece assim desta forma, descobrir mentiras nem sempre deve ser o objetivo do especialista, o uso da Linguagem Corporal vai além de simplesmente apontar erros nos outros, mas o uso da Linguagem Corporal também pode ser muito útil em casos que descobrir mentiras pode ajudar muitos seres.
Não esqueça de se inscrever em nossa lista VIP para receber nosso informativo semanal, mais nosso ebook e também Compartilhe com seus amigos para motivar ainda mais nosso trabalho.
Referências:
Livro: Não Minta Para Mim ! Psicologia da mentira e linguagem corporal por Paulo Sérgio de Camargo.
Telling Lies por Paul Ekman
A Linguagem Corporal no Trabalho por Adrian Furnham

Seja Vip !

Receba nosso ebook Grátis!

Deixe Seu Melhor Email