Os Erros que você comete na Linguagem Corporal

Ao longo do tempo em que estudo linguagem corporal consegui observar os erros que iniciantes mais cometem – e que também cometi várias vezes. Muitos começaram a estudar linguagem corporal – assim como eu – depois do seriado Lie to me. O desejo em ler o ser humano e, principalmente, desvendar mentiras é uma característica comum que atrai muitos a um estudo mais aprofundado da linguagem corporal.

Mas quais seriam os erros mais comuns de quem inicia os estudos em Linguagem Corporal? Conversando sobre este assunto com meus amigos, também especialistas em linguagem corporal, Júlio César e Damis Almeida, tive a ideia de escrever estes erros para ajudar a quem se interessa pela área e está começando os estudos agora.

”Desvendar mentiras”

Assim que iniciamos o estudo sobre mentiras na comunicação não verbal, descobrimos que ”procurar por mentiras” é um erro. A mentira não é denunciada por gestos específicos como costuma ser difundido no senso comum. Em linguagem corporal não há dicionário, o que encontramos são gestos de tensão e nervosismo que, acompanhado de um contexto, pode significar que há uma mentira.

Falta de atenção

É muito comum que inicialmente, na empolgação de ler as pessoas, lhe falte atenção. Pode ocorrer de você se prender tanto a um gesto específico que acabe ignorando o grupo gestual da pessoa observada, isso pode resultar em uma conclusão errada. Por exemplo, imagine alguém falando, quando de repente passa a língua nos lábios, enquanto gesticula mostrando as mãos em sintonia com o que é dito, e seu corpo se inclina para o interlocutor. Alguém que focar apenas no ato de ”passar a língua nos lábios” pode afirmar que, sem dúvidas, a pessoa está tentando manipular. Observe que os outros gestos realizados não confirmam a ideia de que há mentira, por isso, atente-se ao grupo gestual, ou seja, a todos os gestos emitidos pelo comunicador.

Não contextualizar

Outro erro de quem inicia os estudos da linguagem corporal é ”analisar sem contextualizar”. Sabemos que muitos gestos possuem mais de um significado, também sabemos que em diferentes culturas, diferentes são os significados de um mesmo gesto. Uma pessoa pode estar de braços cruzados por sentir que seu espaço pessoal está sendo invadido, ou por estar em desacordo com algo que ouviu, ou apenas estar com muito frio. É importante observar em que contexto se encontra a pessoa observada: ambiente, pessoas que a cercam, cultura a qual pertence, etc.

Analisar apenas o rosto

Este é um erro comum e muito comentado por vários especialistas da área. As pessoas se prendem a expressões faciais na hora de analisar alguém, buscando encontrar incongruências, e acabam esquecendo todas as outras partes do corpo que podem dizer tanto quanto (ou muito mais). Posturas, posições dos braços e pernas, direção para onde apontam os pés, formam um grupo gestual que não deve ser ignorado.

Iniciar os estudos por ME

O estudo das micro-expressões é complexo e não é recomendado para quem está iniciando por vários fatores. Temos ao todo 10 mil combinações de micro-expressões e que se dão em menos de um segundo. Didaticamente falando, o estudo de micro-expressões não se torna aconselhável no início do estudo da Linguagem Corporal, tanto pelo fator dificuldade, como também pela tendência por parte de muitos estudantes de ignorar o contexto e grupo gestual e ter seu foco apenas na face.

Ignorar o conjunto

O ambiente, a posição, os gestos, expressões faciais, rugas, roupas, sapatos, adornos ou a falta deles, tudo deve ser analisado. Todas as informações recebidas que envolverem a relação corpo e ambiente devem ser analisadas. Por exemplo, o estado de ânimo de uma pessoa pode ser denunciado pela sua forma de se vestir. Logo, se houver uma incongruência entre o que ela deseja passar e a forma como se veste e se porta, ela possivelmente estará mentindo.

Gostou? Não esqueça, nós do grupo Linguagem Corporal em Foco estaremos sempre aqui para ajudar.

Seja Vip !

Receba nosso ebook Grátis!

Deixe Seu Melhor Email